Destaques

Estatuto da Agricultura Familiar tem validade prolongada de 1 para 3 anos

Fonte do artigo: Agricultura e Mar

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, já assinou a portaria que altera a validade do Estatuto da Agricultura Familiar (EAF) de 1 para 3 anos e que introduz ajustamentos à atribuição deste título, de forma “a torná-lo mais ágil, mais abrangente e mais justo”.

A portaria, explica uma nota de imprensa do Gabinete da Ministra, vem adaptar o procedimento relativo à atribuição do título de reconhecimento do Estatuto da Agricultura Familiar, recentemente alterado pelo Decreto-Lei n.º 81/2021, de 11 de Outubro, que veio “dar resposta a muitas das reivindicações de organizações de agricultores, nomeadamente ao consagrar um rendimento colectável, por sujeito passivo, igual ou inferior ao valor correspondente ao quarto escalão do imposto do rendimento de pessoas singulares”, que actualmente é de 25.000 euros.

Além disso, o Decreto-Lei estabelece que o acesso ao Estatuto da Agricultura Familiar pode ser concedido não só a quem tem uma dependência total ou maioritária da actividade agrícola, mas também a todos aqueles cujos rendimentos provenham de outras actividades ou fontes de receita, desde que não ultrapassem 80% do total.

Ou seja, o rendimento da actividade agrícola terá de ser igual ou superior a 20% do total do rendimento colectável do agregado familiar. Reforça, ainda, o apoio a esta modalidade de organização, através de uma majoração de 50% na linha de crédito de curto prazo.

Apoios comunitários

Refira-se que quem detém este estatuto pode aceder a regimes de apoio no âmbito do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) e do Fundo Europeu Agrícola de Garantia (FEAGA) em condições mais vantajosas face à generalidade dos agricultores profissionais, que estão totalmente dependentes dos rendimentos agrícolas.

“O Governo reconhece a importante dimensão social e económica da agricultura de subsistência e considera que a promoção e a credibilidade do Estatuto da Agricultura Familiar serão reforçadas a partir do momento em que a actividade agrícola passar a contribuir, de forma significativa, para o rendimento do agregado familiar”, declara a ministra da Agricultura.

“Ao prologarmos a validade deste Estatuto para três anos, a par de outros ajustes importantes, estamos a agilizar o processo de adesão a este título e a torná-lo mais simples e menos burocrático”, acrescenta Maria do Céu Antunes.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo