FENAREG apresenta prioridades do regadio nacional em Seminário Ibero-Brasileiro de Agricultura Irrigada

A FENAREG participou no Seminário Ibero-Brasileiro de Agricultura Irrigada, realizado a 11 e 12 de Maio, onde deu a conhecer a evolução muito positiva da eficiência do uso da água na agricultura portuguesa e apresentou a sua proposta de Estratégia Nacional para o Regadio, focada na competitividade, coesão social e territorial e gestão sustentável dos recursos hídricos.

José Núncio, presidente da FENAREG, começou por explicar aos participantes deste seminário técnico-científico que Portugal está na linha da frente dos países mais suscetíveis aos efeitos das alterações climáticas, razão pela qual o regadio é essencial ao futuro da agricultura nacional.

A agricultura de regadio tem estado na base do crescimento das exportações agroalimentares nas últimas duas décadas, cujo valor triplicou de 1,9 para 6,7 mil milhões de euros (entre 2000 e 2019), e dá provas de um uso da água cada vez mais sustentável, considerada a evolução da eficiência dos sistemas de rega, que atingiu 83%, em 2019, vs. 66%, em 1999.

O presidente da FENAREG defendeu que o investimento em regadio deve dar prioridade à modernização das infraestruturas, às energias renováveis, à capacitação técnica e à certificação de desempenho dos regantes, medidas que integram a proposta de Estratégia Nacional para o Regadio que a Federação apresentou ao Governo e à Assembleia da República. Este documento orientador das políticas públicas de regadio prevê um investimento de 1.700 milhões de euros até 2027, com recurso a fundos públicos oriundos do Plano Estratégico da PAC, do Plano Nacional de Investimentos e do Plano de Recuperação e Resiliência.

O investimento em regadio também é um tema atual no Brasil, que prepara o seu Plano Nacional de Recursos Hídricos 2022-2040, documento orientador das prioridades do uso da água para as próximas décadas. O Brasil tem atualmente 8,2 milhões de hectares equipados para regadio e um potencial de expansão de 76% da área irrigável até 2040, segundo estimativas da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico. Em Portugal, a área equipada para regadio é de 626.820 hectares (16% da superfície agrícola útil).

O modelo português de gestão pública da água na agricultura, que representa 40% da área regada, foi considerado um exemplo a seguir no Brasil.  «Temos muito a aprender com o nível de associativismo dos regantes portugueses», admitiu o moderador do Seminário Ibero-Brasileiro de Agricultura Irrigada, onde participaram vários investigadores portugueses.

Sobre a FENAREG

A FENAREG é uma associação de utilidade pública, sem fins lucrativos, de âmbito nacional, fundada em 2005, que agrupa entidades dedicadas à gestão da água para rega, tanto superficial como subterrânea, com o objetivo de unir esforços e vontades na defesa dos seus legítimos interesses e na promoção do desenvolvimento sustentável e da competitividade do regadio. Atualmente conta com 30 associados que representam mais de 27 mil agricultores regantes, que significa mais de 95% do regadio organizado nacional.

Mais informações: FENAREG Tel.: 962 055 519 | [email protected] | http://www.fenareg.pt/

Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões.

 

Deixe um comentário

Artigo Anterior

PAN pede suspensão transitória da instalação de novas explorações agrícolas no Sudoeste Alentejano

Próximo artigo

Balam Agriculture e Alltech Crop Science lançam projeto “BALAM & ALLTECH – Planet of Plenty Partnership”

Latest from Artigos