Artigo adaptado da Circular nº 17 de 2019, da Estação de Avisos de Entre Douro e Minho.

Esta circular, bem como edições anteriores, pode também ser consultada e descarregada em:

1 – www.drapn.pt

Fitossanidade > Avisos Agrícolas > Entre Douro e Minho

2 –  http://snaa.dgav.pt/

estações de avisos > Estação de Avisos de Entre Douro e Minho.

MÍLDIO OU AGUADO
(Phytophthora hibernalis; Phytophthora spp.)

As infeções desta doença dão-se às primeiras chuvas do outono.

míldio citrinos

míldio citrinos

 Recomendam-se tratamentos, antes ou pelo menos no início das chuvas do outono, com carácter preventivo, à base de cobre (calda bordalesa) ou de fosetil-alumínio, atingindo e molhando muito bem as pernadas e o tronco das
árvores até à zona do colo.
No Modo de Produção Biológico são autorizados fungicidas à base de cobre para a luta contra o míldio e a gomose basal dos citrinos.

GOMOSE BASAL OU GOMOSE PARASITÁRIA DOS CITRINOS (Phytophthora spp.)

  • As infeções dos fungos causadores desta doença ocorrem com as primeiras chuvas do outono.
    Nas árvores adultas, a doença localiza-se sobretudo no colo e na zona inferior do tronco, na parte superior das raízes principais e na parte inferior das pernadas, se estas forem baixas.
  • As árvores doentes apresentam feridas no colo e tronco com fendilhamento da casca, exsudação de goma castanha, amarelecimento e queda de folhas e frutos, frutos pequenos, ramos secos, progressivo enfraquecimento e morte.
  • Oprocesso pode levar anos, conforme as condições de solo e clima e a resistência ou tolerância das plantas e dos porta-enxertos.
  • Como medidas preventivas nesta época do ano, recomenda-se:
    Afastar as águas superficiais de escorrimento e de rega do colo do tronco das árvores (não regar pelo pé, não abrir caldeiras e desfazer as que existam; abrir regos na entrelinha, fazendo a água de rega circular apenas por aí).
  • Manter uma boa drenagem do solo, pois os solos encharcados favorecem o desenvolvimento da doença.
  • Proceder à limpeza das ervas nos pomares, sobretudo junto do colo das árvores, reduzindo a concentração de humidade e facilitando o arejamento.
  • Cortar os ramos inferiores da copa – por ser nestes que a doença incide mais facilmente – pelo menos a 50 cm do chão. Assim, melhora-se também o arejamento do tronco.
  • Desinfetar as lesões, de poda ou acidentais, nos ramos e tronco.
  • As árvores muito enfraquecidas devem ser arrancadas e queimadas. Se mais de metade da copa estiver ainda sã, podem ser adotadas algumas medidas paliativas para adiar a morte da árvore.

  • Fazer uma limpeza profunda das feridas, retirando todo o tecido morto, e de seguida aplicar um fungicida, por pulverização ou pincelagem e um isolante (tipo “isolcoat” ou cera de abelhas). Neste caso, deve ser feita simultaneamente uma poda ligeira.
  • Recomendam-se também tratamentos, antes ou pelo menos no início, das chuvas do outono, com carácter preventivo, à base de cobre (calda bordalesa) ou de fosetil-alumínio, atingindo bem as pernadas e o tronco das árvores até à zona do colo.
  • Podem também ser aplicados fungicidas à base de metalaxil-M, em gota-a-gota na zona do colo das árvores ou por injeção ao solo na área de projeção da copa das árvores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here