4 substratos para 4 plantas distintas: conheça as minhas dicas

Penso que não é novidade para nenhum de vós que ter um bom substrato representa muito do sucesso das vossas plantações, garantindo que as plantas cresçam e se desenvolvam adequadamente.

Como falei no último artigo sobre esta temática, um substrato caracteriza-se por ser uma mistura orgânica e mineral porosa que retém a humidade de forma equilibrada e que é uma alternativa à terra/solo que usamos para a produção vegetal.

Por essa razão, devem “perder algum tempo” a analisar a composição dos substratos à venda do mercado para garantir que estes suprimem todas as necessidades das plantas.

Vou apresentar de seguida algumas das características principais de 4 das culturas/plantas mais produzidas/procuradas para que possa escolher o melhor substrato adequado às suas necessidades.

1.Orquídeas: quem não adora?

Penso que a paixão por orquídeas é comum a muitos de nós. Donas de uma beleza invulgar, necessitam de cuidados específicos para manter a sua beleza tão característica.

Se está a pensar comprar um bom substrato para as suas orquídeas devo salientar que o substrato que escolher deve possui uma textura mais grosseira à base de casca de pinho marítimo, para assegurar que a drenagem é efetuada da forma mais correta, evitando problemas de arejamento/ encharcamento no sistema radicular destas. Um substrato apropriado para orquídeas é essencial para servir de “apoio” à planta, de forma a que as raízes se mantenham firmes, mas não compactadas. Por outro lado, a escolha de um bom substrato para orquídeas garante um pH ácido, uma circulação de nutrientes e de ar eficaz e uma drenagem em eficiente.

substratos

2. Aromáticas: a importância de um bom substrato

Quer semeie em vaso ou quer semeie numa pequena floreira (no caso de ter limitação de espaço) a sua maior preocupação deve ser usar um substrato indicado para aromáticas que retenha água de forma equilibrada e possua na sua composição alguma matéria orgânica para fornecer estrutura, que permita um bom arejamento bem como uma quantidade adequada de nutrientes às plantas. No caso de plantas aromáticas mediterrânicas como o tomilho e o alecrim, pode optar por um substrato mais pobre em matéria orgânica. No caso do manjericão, salsa e coentros a necessidade de matéria orgânica já é mais imperativa. Se achar que o substrato necessita de um complemento superior de matéria orgânica pode ainda adicionar húmus de minhoca.

3 . Cactos e suculentas: plantas de fácil manutenção

Para garantir o bom desenvolvimento dos seus cactos e  suculentas, é imprescindível que opte por adquirir um substrato próprio para este tipo de plantas, que seja capaz de suprimir as suas necessidades e garantir o seu bom desenvolvimento. É importante que o substrato que escolher para estas plantas seja leve e tenha uma textura e composição adequadas para garantir a drenagem de que precisam. Para além de garantir a drenagem, o substrato para os seus catos e/ou suculentas deve também garantir a oxigenação para evitar o apodrecimento das raízes, uma vez que estas plantas provêm de zonas áridas onde não existe muita água e por essa razão sobrevivem durante grandes períodos de seca.

4 . Roseiras: belas e bem cuidadas é o que se quer!

Ter umas roseiras bonitas nem sempre é fácil uma vez que são arbustos ornamentais exigentes. Para que cresçam e se desenvolvam corretamente necessitam de um substrato que cumpra vários requisitos, sendo que, o principal é a sua riqueza em matéria orgânica.

Um substrato próprio para roseiras deve garantir a não tendência para ficar encharcado, de ter boa drenagem, devendo dar prioridade a substratos que sejam capazes de nutrir a planta ao longo do seu ciclo vegetativo. Para este tipo de plantas, opte sempre que possível por substratos com uma composição equilibrada e matéria orgânica com argila. Para melhores resultados, recomendo que plante a roseira num substrato muito bem drenado e já fertilizado, como este substrato da Siro.

acientistaagricola

Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *