Quarta-feira, Abril 24, 2024

Projeto português desenvolve novos produtos alimentares totalmente à base de alfarroba

No passado dia 15 de março, na Universidade Católica Portuguesa no Porto, foram apresentadas as principais conclusões do projeto de investigação português Alphamais – Desenvolvimento de novos preparados alimentares e ingredientes funcionais à base de alfarroba. Em três anos de projeto, financiado pelo Norte 2020 e pelo Algarve 2020, foi possível, através da biotecnologia, criar um conjunto de novos ingredientes e preparados alimentares funcionais utilizando apenas a alfarroba.

Portugal é um dos maiores produtores mundiais de alfarroba, mas a sua utilização ainda não está massificada. Em 2020, Portugal era o maior produtor de alfarroba do mundo e mais de metade da sua produção servia para exportar para outros países. Além do valor socioeconómico da alfarroba, junta-se o valor histórico desta cultura centenária, particularmente marcante no Algarve. Tendo em conta estes dados, a empresa Decorgel, em conjunto com investigadores do Centro de Biotecnologia e Química Fina da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa e de investigadores do Centro de Investigação MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento e do Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve, desenvolveram um projeto de investigação com a particularidade de olhar a alfarroba de uma forma global, criando valor num produto endógeno e explorando valor tecnológico do mesmo, numa abordagem de transformação totalmente natural.

O projeto também trouxe novas propostas de transformação para os subprodutos da transformação da alfarroba, promovendo a sua utilização total na obtenção de novos ingredientes. Além do impacto na valorização do portefólio da Decorgel, eleva o potencial da alfarroba como produto nacional, promovendo a sua integração em novos produtos como ingrediente natural e de elevado valor acrescentado. Manuela Pintado, investigadora do Centro de Biotecnologia e Química Fina da Universidade Católica Portuguesa, explica que “os principais resultados foram a obtenção de novos ingredientes e preparados alimentares funcionais, utilizando de forma integral a alfarroba, com recurso a soluções biotecnológicas de micronização e de extração de compostos. Foram ainda valorizados subprodutos de alfarroba com vista à obtenção de ingredientes e preparados alimentares funcionais, explorando o ingrediente na sua totalidade, numa lógica de desperdício zero.

O Alphamais está intrinsecamente ligado aos valores da Decorgel e àquilo que acreditamos ser o seu papel no tecido nacional,” refere António Nunes, CEO da Decorgel, acrescentando que “a abordagem à utilização de alfarroba de uma forma total e através do uma transformação natural procura elevar as suas componentes a uma utilização com vantagens nutricionais, funcionais e tecnológicas muito acima da sua utilização tradicional.

Para Margarida Vieira, investigadora do MED­– Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento, e que tem vindo a desenvolver novos produtos à base de polpa de alfarroba, “este projeto veio trazer uma nova visão sobre produtos a desenvolver com este fruto e foi importante o estudo do comportamento deste novo produto em misturas aquosas e com leite na presença de açúcar.

 O consórcio do projeto acredita que esta abordagem possa alavancar a proposta de valor da alfarroba como ingrediente natural, fazendo-a ultrapassar a fronteira nacional e demonstrando o seu valor como imagem de produto com selo nacional para uma promoção internacional. “Faz parte da visão deste projeto a promoção da sua abordagem à alfarroba e disseminação a outros produtos nacionais de elevado potencial, para que possam acrescentar valor de forma natural e ser explorados de forma total, numa perspetiva de exportar a identidade dos produtos e ingredientes nacionais,” conclui o CEO da Decorgel.

A sessão de encerramento do projeto de investigação português Alphamais – Desenvolvimento de novos preparados alimentares e ingredientes funcionais à base de alfarroba, financiado pelo Norte 2020 (79%) e pelo Algarve 2020 (21%), realizou-se- a 15 de março, pelas 14h00, no Auditório Arménio Miranda do Edifício de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa no Porto.

 

acientistaagricola
acientistaagricolahttp://acientistaagricola.pt
Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões. 

Related Articles

Queres receber as nossas newsletters?

Preencha os campos abaixo para se inscrever.

* ao clicar em "inscrever", está a aceitar as nossas condições de marketing.
- Publicidade -spot_img
spot_img

Últimos artigos