spot_img
Sexta-feira, Dezembro 8, 2023
spot_img

CAP alerta: mais de 90% dos pagamentos do PEPAC apenas se inicia em Novembro estendendo-se até Junho de 2024

Autor do artigo: Agricultura e Mar

A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal alerta que o “Ministério da Agricultura falha prazo de pagamentos aos agricultores, depois de “dois anos de seca de enorme gravidade” e da “subida exponencial do custo dos factores de produção”. E que a consulta ao Calendário Indicativo de Pagamentos do Continente, relativo à Campanha 2023, disponibilizado pelo IFAP, “permite constatar que mais de 90% dos pagamentos apenas se inicia em Novembro, estendendo-se até Junho de 2024”.

A CAP tomou conhecimento, “com profunda preocupação mas sem surpresa”, do anúncio público do IFAP — Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas relativo ao calendário de pagamentos aos agricultores portugueses dos dinheiros europeus respeitantes à Política Agrícola Comum, vertida no Plano Estratégico da Política Agrícola Comum aprovado pelo Governo português (PEPAC).

“Com profunda preocupação, porque os atrasos agora oficialmente admitidos, quando comparados com os anos anteriores, vêm tornar ainda mais difícil a situação em que se encontram a generalidade dos agricultores e das empresas agrícolas portuguesas, já muito fragilizados” face a: “dois anos de seca de enorme gravidade, pontualmente agravada por fenómenos meteorológicos que destruíram por completo as culturas em algumas zonas do País; e “à subida exponencial do custo dos factores de produção, em larga medida como consequência da guerra”, refere a CAP em comunicado de imprensa.

E diz que “sem surpresa, porque a CAP desde há muito vinha alertando para o desajustamento do PEPAC face à realidade da agricultura portuguesa e para a desarticulação em que se encontravam os serviços públicos com competência em matéria agroalimentar e agroflorestal. Dado o modo como decorreu a última campanha do Pedido Único, sem qualquer paralelo no passado das últimas décadas da Política Agrícola Comum, com as organizações de agricultores a não conseguirem os esclarecimentos mínimos para a elaboração das candidaturas em tempo útil, era certamente inevitável o atraso agora constatado”.

“Esta situação é inaceitável”

Para a Confederação, “esta situação é inaceitável. Os agricultores terão obviamente de ser compensados por este atraso – que aliás os colocam uma vez mais em condições de acrescida desigualdade com os seus concorrentes espanhóis – nomeadamente aqueles que devido às garantias explicitamente dadas pelo Ministério da Agricultura contraíram obrigações financeiras junto da banca”.

Neste momento e face aos resultados da reunião que o primeiro-ministro teve com a CAP na semana passada, aquela organização de agricultores exige “três linhas de actuação imediata”. Em primeiro lugar, a CAP exige que “sejam envidados todos os esforços possíveis pelo IFAP para acelerar os pagamentos em questão e evitar teias burocráticas que criem novas dificuldades”.

Em segundo lugar, “que se iniciem de imediato os trabalhos para a adopção das necessárias alterações ao PEPAC que a CAP vinha propondo” e que o “primeiro-ministro aceitou, o que permitirá no futuro um acesso muito mais directo dos agricultores portugueses aos fundos agrícolas europeus e nos colocará num plano de maior proximidade com o que fazem os governos de Espanha, França ou Alemanha, melhorando as nossas condições de competitividade com os nossos principais parceiros e concorrentes”.

Por último, a CAP exige que “se inicie desde já o estudo do reforço das medidas agroambientais do segundo pilar, aprofundando a vertente ambiental e garantindo o seu pagamento”.

“Só assim estaremos em condições de proceder a uma verdadeira transformação e modernização dos sectores agroalimentar e agroflorestal português, aplicando em 2024 um PEPAC revisto e adaptado às nossas realidades e evitando os problemas inéditos ocorridos este ano”, frisa o mesmo comunicado.

acientistaagricola
acientistaagricolahttp://acientistaagricola.pt
Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões. 

Related Articles

Queres receber as nossas newsletters?

Preencha os campos abaixo para se inscrever.

* ao clicar em "inscrever", está a aceitar as nossas condições de marketing.
- Publicidade -spot_img
spot_img

Últimos artigos