Quinta-feira, Maio 23, 2024

Agro.Ges: prevê-se uma transferência de áreas ocupadas por cereais para culturas leguminosas

Fonte: Agricultura e Mar

“Não se esperam alterações na área ocupada pelos solos agrícolas e florestais da União Europeia, mas irão verificar- se mudanças na sua composição. Prevê-se que, no contexto das culturas temporárias, se venha a confirmar uma transferência de áreas ocupadas por cereais para culturas leguminosas, em consequência quer da redução da procura de cereais para alimentação animal, quer de novos incentivos para a produção de culturas ricas em proteínas”.

Esta é uma das projecções da consultora agrícola  Agro.Ges face ao relatório publicado pela Comissão Europeia, no final de 2023, o qual visa a apresentação das perspectivas de evolução de médio prazo dos mercados e rendimentos agrícolas até 2035, assim como de cenários alternativos de análise dos efeitos decorrentes das alterações climáticas ou da adopção de algumas práticas de gestão sustentável dos solos agrícolas.

Projecções da autoria do fundador e coordenador científico da  Agro.Ges, Francisco Avillez, que podem ser lidas na 19ª edição do Millennium  Agro News, dedicada à fileira do pinheiro-bravo.

Trata-se de um relatório elaborado pela Direcção-Geral da Agricultura e Desenvolvimento Rural (DG AGRI) em colaboração com o Joint Research Centre (JRC), baseado num conjunto de pressupostos macroeconómicos e nos Planos Estratégicos da Política Agrícola Comum (PEPAC) dos diferentes Estados-membros da União Europeia.

No que diz respeito às culturas permanentes, dizem os consultores da  Agro.Ges que “as previsões apontam para a manutenção da sua área actual, caracterizada por uma substituição das actuais plantações tradicionais por plantações mais modernas e eficientes. Uma crescente extensificação da produção animal faz prever a manutenção das áreas ocupadas com prados e pastagens permanentes, cujo papel descarbonizador irá ser promovido no contexto das metas dos PEPAC nacionais”.

Em segundo lugar, adianta a  Agro.Ges, “prevê-se que as produtividades médias dos cereais e das oleaginosas se mantenham estáveis na próxima década, uma vez que se espera que o impacto negativo das alterações climáticas e da menor disponibilidade de produtos fitossanitários sejam compensados com uma maior difusão das tecnologias de precisão, com recurso a práticas agrícolas focadas na melhoria das funções dos solos”.

No caso dos cereais, “a produção futura irá continuar a ser baseada no trigo e no milho e, no caso das oleaginosas e proteaginosas, prevê-se um aumento da sua produção acompanhado por uma redução das respectivas importações”, acrescenta.

Pode ler a 19ª edição do Millennium  Agro News aqui.

acientistaagricola
acientistaagricolahttp://acientistaagricola.pt
Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões. 

Related Articles

Queres receber as nossas newsletters?

Preencha os campos abaixo para se inscrever.

* ao clicar em "inscrever", está a aceitar as nossas condições de marketing.
- Publicidade -spot_img
spot_img

Últimos artigos