Sexta-feira, Maio 24, 2024

Como alimentar o mundo em 2050? São precisos mais 100 milhões de hectares de terra

Autora do artigo: Sara Sousa, Agroop

Em 2050, a população mundial deverá alcançar os 9 mil milhões de pessoas. Tendo em conta que cerca de 70% da água doce a nível global é utilizada para culturas agrícolas irrigadas – que asseguram cerca de 40% dos alimentos – a pressão sobre a necessidade de água irá aumentar exponencialmente.

Para acompanhar essa necessidade e, simultaneamente, proteger os ecossistemas aquáticos, há vários passos que é crucial tomar, de acordo com um novo estudo de investigadores de universidades de Portugal, Áustria, Holanda e Suíça.

“Os resultados revelam que, para produzir a nossa alimentação de forma sustentável e respeitando as necessidades ambientais, será necessário expandir a área de terra utilizada para agricultura em 100 milhões de hectares – aproximadamente 100 milhões de estádios de futebol – até 2050, de forma a corresponder às necessidades de alimento tendo em conta o aumento da população mundial. Para que tal seja possível, tendo em conta os recursos hídricos limitados, será necessário reduzir as culturas intensivas em áreas secas e redistribuir a produção agrícola de alimentos em regiões abundantes em água”, disse, em comunicado, Amandine Pastor, uma das autoras do estudo e investigadora na Universidade de Lisboa e no International Institute for Applied Systems Analysis.

Veja o vídeo: Como a Carmo e Silvério aumentou a eficiência da rega com tecnologia

Os fluxos comerciais globais também terão que sofrer alterações. Será necessário um fluxo adicional de 10% a 20% de comércio de regiões ricas em água para regiões com escassez de água de modo a respeitar as regulações ambientais que garantem a saúde dos ecossistemas.

“É importante perceber que os recursos naturais são limitados. Os resultados do nosso estudo indicam que será possível manter a segurança alimentar e os requisitos de conservação dos ecossistemas de água doce até 2050, apesar da crescente poluição e dos crescentes impactos das mudanças climáticas. Mas, para que isso seja possível, devem ser adotadas práticas sustentáveis e inovadoras, como cultivar em zonas agro-climáticas apropriadas – por exemplo, plantar culturas menos intensivas em água em áreas secas -, desenvolver a agricultura urbana e vertical e reduzir o consumo de carne na dieta humana”, acrescentou Amandine Pastor.

 

acientistaagricola
acientistaagricolahttp://acientistaagricola.pt
Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões. 

Related Articles

Queres receber as nossas newsletters?

Preencha os campos abaixo para se inscrever.

* ao clicar em "inscrever", está a aceitar as nossas condições de marketing.
- Publicidade -spot_img
spot_img

Últimos artigos