Domingo, Março 3, 2024

Dieta Mediterrânica reduz risco de declínio cognitivo em idosos

Fonte: Agricultura e Mar

Os idosos que seguem uma Dieta Mediterrânica apresentam menor risco de declínio cognitivo, de acordo com um estudo publicado na revista Molecular Nutrition and Food Research. O trabalho fornece novas evidências para uma melhor compreensão dos mecanismos biológicos relacionados ao impacto da dieta na saúde cognitiva da população idosa.

A demência é um problema de saúde pública em rápido crescimento que afecta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o Mundo. Todos os anos ocorrem quase 10 milhões de novos casos e prevê-se que este número triplique até 2050 devido ao envelhecimento da população global e ao seu impacto previsto e os custos para a sociedade são enormes. A demência é caracterizada pelo declínio cognitivo progressivo, uma das principais causas de incapacidade e dependência entre os idosos.

O estudo é dirigido por Mireia Urpí-Sardá, professora associada do Grupo de Investigação em Biomarcadores e Metabolómica Nutricional e Alimentar da Faculdade de Farmácia e Ciências Alimentares, do Instituto de Investigação em Nutrição e Segurança Alimentar (INSA-UB), do Torribera Food Campus. da Universidade de Barcelona e do CIBER de Fragilidade e Envelhecimento Saudável (CIBERFES).

Este estudo europeu, enquadrado na Iniciativa de Programação Conjunta “Uma dieta saudável para uma vida saudável” (JPI HDHL), está a ser desenvolvido há 12 anos e contou com a participação de 840 pessoas com mais de 65 anos (65% mulheres) das regiões francesas de Bordéus e Dijon.

Segundo Cristina Andrés-Lacueva, professora da Universidade de Barcelona e líder do grupo CIBERFES, “no âmbito do estudo, foi desenhado um índice metabolómico alimentar — baseado em biomarcadores obtidos do soro dos participantes — sobre os grupos de alimentos que fazem parte do a dieta mediterrânica. Conhecido esse índice, avalia-se sua associação com comprometimento cognitivo”.

O metaboloma ou conjunto de metabólitos — relacionados aos alimentos e derivados da atividade da microbiota intestinal — foi estudado por meio de uma análise metabolómica quantitativa em larga escala do soro dos participantes sem demência, desde o início do estudo. O comprometimento cognitivo foi avaliado por cinco testes neuropsicológicos ao longo de doze anos.

acientistaagricola
acientistaagricolahttp://acientistaagricola.pt
Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões. 

Related Articles

Queres receber as nossas newsletters?

Preencha os campos abaixo para se inscrever.

* ao clicar em "inscrever", está a aceitar as nossas condições de marketing.
- Publicidade -spot_img
spot_img

Últimos artigos