Quinta-feira, Maio 23, 2024

ICNF alerta agricultores para identificarem ninhos de águia-caçadeira antes das ceifas

Fonte: Agricultura e Mar

O ICNF — Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas sensibiliza e alerta os agricultores para que identifiquem e o informem dos ninhos de águia-caçadeira que encontrem antes das colheitas.

A águia-caçadeira, ou tartaranhão-caçador, é uma espécie migradora, que existe enquanto reprodutor na Eurásia e Norte de África, desde a Península Ibérica e Marrocos, até cerca do paralelo 60, no Sul da Sibéria e Ásia Norte-central. Inverna na África subsariana, principalmente no Sudão, Etiópia e Leste de África e também no subcontinente Indiano, refere uma nota de imprensa do ICNF.

Em Portugal, a espécie surge como nidificante em especial na metade Este do País, nomeadamente nas planícies do Alentejo e nos planaltos serranos do Centro-Leste e Norte.

© ICNF

“A alteração das culturas e das práticas agrícolas e pecuárias que se registaram na última década terão contribuído para o declínio acentuado da espécie, decorrente da afectação directa do habitat e do aumento de impactes negativos sobre os locais de nidificação e consequentemente sobre o sucesso reprodutor”, realça a mesma nota.

E adianta que a maioria dos casais desta espécie nidifica no interior de searas, sendo essencial que, caso localizem ninhos, os agricultores contactem o ICNF através das respectivas direcções regionais.

Esta identificação é crucial para que o ICNF realize o resgate e salvamento de ovos e crias de águia-caçadeira.
Além da intervenção no habitat natural (in-situ), o programa de resgate e salvamento inclui também uma componente de conservação fora do ambiente natural (ex-situ), com a recolha dos ovos mais expostos a predação e outras ameaças.

O processo de incubação implica a monitorização constante da perda de peso de cada ovo a cada 48 horas, para serem incubados com a humidade adequada e assim maximizar o sucesso da operação. Após o nascimento, inicia-se a fase de alimentação das crias, que se realiza em ciclos de quatro a cinco refeições diárias, em ambiente climatizado.

Após os primeiros 15 dias, as crias são transferidas para uma jaula em meio natural, onde são ambientadas para posterior devolução à natureza (Hacking). Os juvenis são depois anilhados para identificação e reconhecimento dos exemplares libertados e são colocados emissores para que seja possível seguir as suas rotas migratórias até ao seu destino de Inverno em África.

acientistaagricola
acientistaagricolahttp://acientistaagricola.pt
Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões. 

Related Articles

Queres receber as nossas newsletters?

Preencha os campos abaixo para se inscrever.

* ao clicar em "inscrever", está a aceitar as nossas condições de marketing.
- Publicidade -spot_img
spot_img

Últimos artigos