Tecnologia agrícola: 3 tendências que vão marcar a AgTech em 2019

Autora do artigo: Sara Sousa, Agroop

3 tendências que vão marcar a AgTech em 2019

Em 2018, o setor da AgTech – tecnologia agrícola – estava a maturar, com as tecnologias de base a melhorarem e os investidores a perceberem cada vez melhor como funciona o setor. 2019 traz consigo uma série de tendências para a indústria que já tinham começado a germinar no ano passado, mas que deverão ganhar mais tração.

Segundo o site especializado Agri Investor e o mais recente relatório sobre investimento na AgTech da Finistere Ventures, estas serão algumas das grandes tendências de tecnologia agrícola no setor em 2019.

tecnologia agrícola novidades

 

  1. Crescimento da biotecnologia agrícola

As empresas deste segmento dedicam-se, sobretudo, a criar tecnologias de alteração genética com objetivo de tornar as culturas mais resistentes a doenças, mais rentáveis e com conteúdo nutricional mais elevado. Exemplos são a Indigo, que faz tratamentos para sementes, e a PivotBio, que desenvolveu um micróbio que produz nitrogénio.

Segundo o relatório de investimento da Finistere Ventures, estas empresas foram as que receberam mais investimento no ano passado, com o investimento médio a situar-se nos 25,2 milhões de dólares.

Em 2019, a tendência de crescimento deste setor deverá manter-se, de acordo com o site Agri Investor, que prevê que os alimentos alterados geneticamente comecem a ser consumidos em escala nos EUA em breve. Já a chegada deste tipo de alimento à Europa deverá ser dificultada pelo “ceticismo” da UE.

Até 2026, o mercado global de biotecnologia agrícola deverá alcançar o valor de 51,93 mil milhões de dólares, segundo a MarketWatch.

tecnologia agrícola

  1. Adoção da AgTech em países subdesenvolvidos

Segundo a FAO, os agricultores com explorações pequenas produzem até 80% dos alimentos na Ásia e na África Subsariana. Mas a sua “viabilidade económica é ameaçada pela pressão competitiva vinda da globalização,” de acordo com a organização. Estes agricultores sempre tiveram falta de acesso a conhecimento e recursos mas, segundo o Agri Investor, isso pode estar prestes a mudar.

Nos últimos anos, o acesso à Internet e a smartphones nos países em desenvolvimento tem crescido rapidamente – em 2018, 64% da população destas nações dizia usar uma destas tecnologias regularmente.

Além disso, os tempos recentes têm registado bastante atividade no setor da AgTech(tecnologia agrícola)  na África e na Ásia. A Fundação Bill e Melinda Gates assinou um acordo com a UE para o investimento de 525 milhões na inovação agrícola em países africanos e sul-asiáticos e até já há quem fale da “onda de AgTech em África.”

Assim, 2019 poderá ser o ano em que se concretiza a adoção em massa das novas tecnologias agrícolas nos países subdesenvolvidos, o que permitiria aos pequenos agricultores produzirem mais e tornarem-se mais competitivos.

  1. O ponto de viragem para o software agrícola?

Ainda que os gigantes da tecnologia, como a IBM, a Microsoft e a Amazon, tenham feito investimentos na área da AgTech, “ainda falta ver avanços significativos na criação de um ecossistema para a agricultura,” defende o Agri Investor. Isto é: enquanto que áreas como smart homes e carros autónomos estão verdadeiramente a abanar as indústrias dos eletrodomésticos e dos automóveis, o mesmo nível generalizado de disrupção ainda não se verificou no software agrícola e agricultura de precisão.

Tal deve-se ao facto de estes setores “terem muita promessa, mas estarem ainda fragmentados, com pouca interoperabilidade e demasiado dependentes das empresa incumbentes,” ou seja, empresas que já têm quota de mercado – e que tradicionalmente são mais avessas à inovação.

Assim, a questão é: vai 2019 ser o ano em que o software agrícola e a agricultura de precisão cruzam a fronteira para alcançarem a disrupção de outras indústrias tecnológicas?

Sara Sousa | Agroop

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *