Fonte do artigo: Agricultura e Mar

Proteger as abelhas das suas doenças e predadores, continua a ser um dos pontos mais críticos da moderna apicultura a nível mundial. Os apicultores devem pois ter o máximo de conhecimentos técnicos e científicos, para mais facilmente identificarem os problemas sanitários dos seus apiários, e actuar em conformidade, quer profilacticamente, quer através de tratamentos.

A FNAP – Federação Nacional dos Apicultores de Portugal, em parceria com a CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal, debruçou-se sobre as principais doenças das abelhas, dando particular destaque às de declaração obrigatória de acordo com a legislação nacional vigente (Loque Americana, Loque Europeia, Acarapisose, Varroose, Ascosferiose e Nosemose), mas também as restantes doenças, parasitas, predadores e outras ameaças.

O resultado foi a publicação do Manual de Sanidade Apícola: Sintomas, Profilaxia e Controlo, do qual o agriculturaemar.com aqui transcreve uma parte.

Diz o Manual que as abelhas, como todos os organismos vivos, são susceptíveis a várias doenças, parasitas e predadores, cuja acção pode ter um efeito prejudicial no seu normal desenvolvimento, e mais importante na sua produtividade. Os apicultores, como os criadores de gado, têm a responsabilidade de promover o desenvolvimento de colónias fortes e saudáveis, em especial nas épocas de maior produção.

A standartização do material apícola e algumas técnicas de maneio, acompanhadas da intensificação da produção apícola, resultaram numa proximidade cada vez maior entre colónias. Este factor, ao que se junta as constantes deslocações de colónias, o comércio de abelhas (rainhas, núcleos ou pacotes de abelhas) entre apicultores de diferentes regiões do mesmo país, ou mesmo, entre apicultores de diferentes países e continentes, contribui de forma marcante para a disseminação da maioria das doenças das abelhas.

Proteger as abelhas

Proteger as abelhas das suas doenças e predadores, continua a ser um dos pontos mais críticos da moderna apicultura a nível mundial. Os apicultores devem pois ter o máximo de conhecimentos técnicos e científicos, para mais facilmente identificarem os problemas sanitários dos seus apiários, e actuar em conformidade, quer profilacticamente, quer através de tratamentos.

É sobre tudo isto que o Manual fala. O qual pode ler aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here