Produção agrícola e técnicasProtecção das culturas

Saiba como proteger as culturas das altas temperaturas com soluções práticas

Estamos em pleno Verão e por essa razão é muito importante estar atento à subida das temperaturas e à sua influência no desenvolvimento das culturas agrícolas. Desengane-se se pensa que as altas temperaturas são apenas prejudiciais para o ser humano, pois também as plantas acabam por sofrer com este problema.

Embora seja rara a existência de temperaturas extremamente altas e severas, as temperaturas quentes, os ambientes secos e a elevada insolação acabam por ser bem mais frequentes. Estas condições climatéricas de menor severidade são responsáveis por causar stress e desequilíbrio nas plantas interferindo diretamente na fotossíntese. De facto, verifica-se que a luz solar intensa pode fazer com que a fotossíntese diminua ou em casos mais extremos pare. No caso de a atividade fotossintética parar, isso resulta numa menor síntese de hidratos de carbono e numa redução da produção e da qualidade dos produtos hortícolas e frutícolas produzidos. Situações em que se verificam elevadas temperaturas têm também efeito no stress hídrico contribuindo para a redução do tamanho dos frutos por exemplo, além de que dificultará o crescimento em árvores jovens, especialmente.

Neste novo artigo, partilho consigo alguns métodos de proteção das suas culturas agrícolas contra as altas temperaturas e condições de seca.

Escolha a melhor altura para transplantar as suas plântulas

O transplante das plântulas para local definitivo é uma operação muito delicada e sensível, razão pela qual se fala muitas vezes na “crise de transplantação”. Especialmente nas alturas de maior calor do ano (meses de Verão), não se deve proceder a esta operação. É aconselhável que a transplantação seja feita antes dos meses de Verão, se possível.

Se possível, certifique-se de que todas as plantas que precisam ser transplantadas o sejam antes deste período mais quente. Em último caso, as plântulas podem ser transplantadas de recipientes para local definitivo durante o verão, mas apenas caso as plantas transplantadas sejam regadas com regularidade durante várias semanas após esta operação. É importante que se tenha em conta outros fatores como o stress hídrico sofrido pelas plântulas transplantadas, especialmente se estiverem expostas em situações de sol pleno. 

 Opte por métodos de rega mais eficientes

Culturas que recebem uma quantidade de água insuficiente ao longo do seu ciclo de vida mostram várias dificuldades em realizar a fotossíntese de maneira eficiente, demonstrando stress.  Nas alturas de maior calor verifica-se que as necessidades de irrigação são também especialmente superiores. Neste período, muitos produtores agrícolas acabam por escolher o sistema de rega suspensa por aspersão que acaba por dispersar a água necessária sobre a copa do pomar por exemplo, ajudando a reduzir as temperaturas através da evaporação. No entanto, é importante ter em consideração que embora este método de rega seja muito eficaz em proteger as plantas das altas temperaturas e luz solar, acaba também por aumentar o risco de aparecimento de doenças foliares.

No entanto, é importante ter em conta que embora esses sistemas sejam ótimos para proteger os produtos hortícolas e frutícolas das altas temperaturas e luz solar, estes podem também aumentar o risco de doenças foliares, acabando por dispersar os agentes patógenos de plantas infetadas para as plantas saudáveis mais ​​próximas. Por outro lado, a irrigação excessiva pode também promover alguns problemas entres eles uma drenagem deficiente.

Utilize redes de ensombramento

As redes/malhas de ensombramento são um método muito utilizado para proteger as culturas agrícolas das altas temperaturas. São na maioria das vezes compostas por polipropileno com grande durabilidade que acabam por proteger as plantas também de fatores externos como vento ou ataques de pássaros.  As redes de ensombramento, além de protegerem as culturas de condições climatéricas mais adversas, acabam por proteger a pele dos trabalhadores agrícolas dos raios solares que podem levar ao aparecimento de problemas de saúde mais graves.  Sabiam, por exemplo, que estão a ser promovidos vários estudos com redes de ensombramento com cores distintas? Resultados preliminares revelaram que a cor vermelha ajuda a promover a cor dos frutos e a cor azul interfere na fase de crescimento vegetativo das culturas.

Estes tipos de redes podem ser enrolados e guardadas durante as estações mais frias de forma a aumentar a vida útil destes materiais. De salientar também que em casos de sombreamento excessivo, a produtividade das culturas agrícolas pode sair prejudicada.

Aplique  mulching nas suas culturas e árvores

O mulching, também designado por empalhamento ou cobertura morta, é um dos melhores aliados dos agricultores, especialmente nas alturas de maior calor. Entre outras vantagens, impede o crescimento de plantas infestantes, conserva a humidade e isola o solo das oscilações bruscas de temperatura. Por ajudar a reter a humidade do solo e criar microclimas mais frios na base da planta, revela-se uma excelente forma de proteger as plantas das elevadas temperaturas. Para aplicar esta técnica pode usar materiais como palha, gravilha ou o composto. Pode usar um material “ácido” como as agulhas de pinheiro, folhas secas ou fragmentos de cascas de árvore, caso a cultura instalada necessite de um aumento de acidez como por exemplo os mirtilos.

Evite plantar e podar nas alturas de maior calor

A poda nas alturas de maior calor deve ser evitada de forma a que evitar que as plantas entrem em desequilíbrio.  Numa situação excecional como por exemplo o aparecimento de uma doença e em que seja necessário podar, certifique-se que a planta recebe a água e nutrientes que necessita após esta operação. O momento ideal para podar é quando as plantas se encontram em repouso vegetativo, que coincide com o período de outono-inverno.  Da mesma forma, a plantação em alturas de maior calor deve ser evitada.

Aplique materiais/soluções que reflitam a luz solar

Existe uma série de produtos que, quando aplicados à área foliar das plantas, acabam por refletir a luz, como por exemplo o carbonato de cálcio.  Este tipo de produtos, por norma, formam uma película de partículas microscópicas que protege as folhas e frutos das radiações UV e do calor.  Por outro lado, a aplicação nos troncos das árvores de tinta de látex branca de forma a refletir a luz do sol e a reduzir os danos causados ​​pelas queimaduras solares é também uma prática comum.

O Sugarplex Reflexo da Hubel Verde, apresenta-se como uma solução diferenciada destes produtos, na medida em que é um formulado à base de zinco e sorbitol concebido para a prevenção da queimadura solar dos frutos de forma sistémica, sem criar películas ou resíduos que afetem as plantas. Além disso, apresenta ainda uma função nutritiva que lhe confere uma acção preventiva e curativa perante deficiências de zinco, o qual graças à sua formulação particular e ao conteúdo de extratos específicos de açúcar (que age como substância veiculante), permite uma absorção pelas folhas e translocação imediata para tecidos vegetais e frutos por toda a planta. É um produto autorizado em Agricultura Biológica.

 Saiba mais sobre o Sugarflex Reflexo aqui.

Não descure a fertilização

Embora fertilizar não seja uma atividade prioritária no Verão, pode ajudar as plantas a enfrentarem condições climatéricas mais adversas como altas temperaturas. Culturas bem nutridas acabam por se tornar mais resistentes e protegidas contra a situações de stress provocadas pela seca severa e pelo calor.

Em situações de transplante e recém-plantação efetuadas em alturas de maior calor, a fertilização pode dar uma ajuda ao tornar as plantas mais resistentes, uma vez que ajudam a aumentar a atividade fotossintética e a fixação de nutrientes.

Em fruteiras mais antigas a fertilização deve ser feita com maior cuidado e moderação para não trazer efeitos nefastos aos frutos.  

O Vegetal B60 da Hubel Verde é uma solução rica em glicina betaína que melhora a resistência das plantas ao stress térmico, hídrico e salino, aumentando a atividade fotossintética e a fixação do azoto. Na produção, os efeitos passam pelo aumento do calibre e consistência, bem como uma melhor coloração dos frutos e um prazo mais prolongado de conservação em  pós-colheita das produções.

Utilize sensores para monitorizar o clima

Com a evolução tecnológica também presente no setor agrícola, os empresários agrícolas podem conseguir saber com antecipação as condições meteorológicas que se farão sentir nos próximos dias.  Através de sensores e da sua integração com os dados meteorológicos, torna-se mais fácil manter o controlo sobre as condições climáticas e facilita a tomada de decisão na proteção e monitorização das culturas agrícolas. Sabia por exemplo que a ausência de controlo da temperatura durante o ciclo produtivo pode influenciar o crescimento e desenvolvimento das plantas?  Através destas soluções tecnológicas agrícolas é possível proceder à monitorização dos níveis de humidade e ajudar a prevenir o aparecimento de fungos, responsáveis pelo aparecimento de futuros problemas fitossanitários.

No que diz respeito à atividade fotossintética nas plantas, os valores de CO2 que variam durante este processo podem ser monitorizados através deste instrumentos de forma a garantir que  culturas possam apresentem um crescimento  e desenvolvimento mais interessante.

Espero que tenham gostado deste artigo!

Artigo patrocinado pela Hubel*

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo