Quarta-feira, Maio 22, 2024

7 exemplos de adubos verdes de primavera-verão que deve cultivar

A agricultura sustentável tem vindo a ganhar cada vez mais importância no contexto atual, impulsionada pela necessidade de preservar o ambiente e garantir a segurança alimentar da população. Neste sentido, uma prática bastante eficiente e promissora é o uso de adubos verdes. Estas plantas, cultivadas especificamente para melhorar a fertilidade do solo, representam uma opção viável e acessível para os agricultores  que desejam obter benefícios significativos para as suas culturas de forma natural e económica.. Ao utilizar adubos verdes, os agricultores podem aproveitar os seus diversos benefícios, tais como o aumento da matéria orgânica no solo, o fornecimento de nutrientes essenciais, a melhoria da estrutura do solo e a diminuição do desenvolvimento de plantas infestantes, por exemplo.

adubos verdes  vantagens e desvantagens

Conheça 7 exemplos de adubos-verdes de primavera-verão que vai querer cultivar

1-Crotalária

A crotalária é uma planta leguminosa frequentemente utilizada como adubo verde. O adubo verde refere-se à prática de cultivar plantas com o propósito de melhorar a fertilidade do solo, aumentar a matéria orgânica e fornecer nutrientes essenciais para as próximas culturas.

A crotalária é uma escolha popular como adubo verde devido às suas características benéficas. Tem a capacidade de fixar o azoto atmosférico nos seus nódulos radiculares, convertendo-o numa forma utilizável pelas plantas. O azoto é um nutriente vital para o crescimento das plantas e muitas vezes é limitado nos solos. Ao cultivar crotalárias, está-se essencialmente a enriquecer o solo com azoto.

Além disso, as raízes profundas da crotalária ajudam a melhorar a estrutura do solo, tornando o solo mais solto  e contribuindo para aumentar a infiltração de água. Isto contribui para uma melhor drenagem e arejamento do solo.

Para utilizar a crotalária como adubo verde, pode-se plantá-la antes ou entre as culturas principais. Normalmente, a planta é cultivada por um período de tempo específico, geralmente de 8 a 12 semanas, e depois é cortada e incorporada no solo. A decomposição dos restos da planta liberta os nutrientes gradualmente, enriquecendo o solo para as culturas seguintes.

É importante salientar que a crotalária pode ser tóxica para alguns animais, especialmente para bovinos e suínos, devido à presença de alcaloides. Portanto, é necessário ter cuidado ao utilizá-la em áreas onde esses animais possam ter acesso.

adubos verdes crotalária
A crotalária é uma planta pertencente à família das leguminosas e é conhecida pelas flores amarelas brilhantes. Embora seja uma planta atraente e benéfica em alguns aspectos, certas espécies de crotalária contém alcaloides pirrolizidínicos, que podem ser tóxicos para animais de determinadas espécies. Estes alcaloides pirrolizidínicos são compostos químicos naturalmente presentes na crotalária e em algumas outras plantas. Quando ingeridos, esses alcaloides podem causar danos ao fígado e, em casos graves, podem levar à morte dos animais. Ruminantes, como bovinos, ovinos e caprinos, são particularmente suscetíveis à toxicidade da crotalária. Equinos e suínos também podem ser afetados. Os principais órgãos afetados pela toxicidade da crotalária são o fígado e os pulmões. Os alcaloides pirrolizidínicos são convertidos em substâncias tóxicas no fígado, causando danos ao órgão. Além disso, alguns alcaloides são metabolizados nos pulmões, levando à formação de compostos que podem causar fibrose pulmonar.

2- Feijão-frade

O feijão-frade é uma planta leguminosa que pode ser utilizada como adubo verde devido à sua capacidade de fixar azoto atmosférico no solo. Esta fixação ocorre através de uma relação simbiótica com bactérias específicas chamadas rizóbios, presentes nos nódulos radiculares do feijão-frade.

A fixação do azoto pelo feijão-frade é vantajosa para a fertilidade do solo, uma vez que o azoto é um nutriente essencial para o crescimento das plantas. Ao fixar este nutriente, o feijão-frade converte-o numa forma utilizável pelas plantas.

Além da fixação de azoto, o feijão-frade também melhora a estrutura do solo devido às suas raízes profundas, que ajudam a soltar camadas compactadas e a melhorar a infiltração de água. Isto promove uma melhor drenagem e arejamento do solo, o que favorece o desenvolvimento das raízes das culturas seguintes.

Para utilizar o feijão-frade como adubo verde, é necessário preparar o solo, semear uniformemente as sementes com uma densidade de cerca de 10 a 15 sementes por metro quadrado, cobrir as sementes com uma camada fina de solo e manter o solo húmido durante o seu crescimento. Quando o feijão-frade estiver pronto para a adubação, pode-se cortar as plantas rente ao solo e incorporá-las no solo. Os restos da planta irão decompor-se gradualmente, libertando os nutrientes fixados, como o azoto.

É importante salientar que o feijão-frade também pode ser utilizado como alimento, para além de ser um adubo verde. No entanto, é aconselhável obter orientação específica para a região onde vive antes de usar o feijão-frade como adubo verde.

adubos verdes feijao-frade

3-Cravo Túnico

O cravo-túnico ou tagetes é particularmente adequado como adubo verde devido às suas características. Esta planta possui um sistema radicular profundo e denso, o que ajuda a melhorar a estrutura do solo, permitindo uma melhor infiltração de água e o arejamento das raízes das plantas que serão cultivadas de seguida. Além disso, as suas raízes libertam substâncias químicas que podem suprimir algumas espécies de nemátodos e outras pragas do solo.

O cravo-túnico também possui uma abundante biomassa acima do solo, o que significa que quando é cortado e incorporado ao solo, fornece uma grande quantidade de matéria orgânica, enriquecendo-o com nutrientes essenciais, como azoto. A decomposição dos resíduos destas plantas  no solo também contribuem para melhorar sua estrutura e atividade biológica.

Para utilizar o cravo-túnico como adubo verde,  pode cultivá-lo numa área específica do seu terreno durante um período determinado. Em geral, recomenda-se que se deixe a  planta crescer  cerca de dois a três meses antes de cortá-la e incorporá-la ao solo. O momento ideal para incorporar o adubo verde é quando a planta está em plena floração, pois é quando ela contém a maior quantidade de nutrientes.

4-Erva do Sudão

A Erva do Sudão é uma gramínea de rápido crescimento, conhecida pela sua capacidade de produzir uma grande quantidade de biomassa num curto período de tempo. Esta característica torna-o uma opção popular como adubo verde, uma vez que  pode fornecer uma fonte significativa de matéria orgânica ao solo.

Ao cultivar a Erva do Sudão como adubo verde, as suas raízes profundas da planta ajudam a melhorar a estrutura do solo, aumentando a sua capacidade de retenção de água e arejamento. Além disso, quando a planta é cortada e incorporada ao solo,  contribui com nutrientes essenciais, como azoto, fósforo e potássio, tornando-se uma fonte de fertilização natural. Para utilizar a erva de sudão como adubo verde, geralmente é recomendado cortar a planta antes que ela floresça e incorporá-la ao solo. O momento ideal para a incorporação depende das condições locais e do ciclo de crescimento da planta. Idealmente, aproveite quando as plantas tiverem  1,30 a 1,40 m de comprimento no início do espigamento para cortá-las.

Sudan grass, Sorghum sudanense, energy plant - 22500088
Fonte da imagem: https://previews.123rf.com/images/huandi/huandi1309/huandi130900288/22500088-sudan-grass-sorghum-sudanense-energy-plant.jpg

5-Facélia

A facélia é uma planta anual de rápido crescimento, atingindo geralmente de 60 a 90 centímetros de altura. As suas folhas são verde-escuras e suas flores têm uma coloração azul-violácea intensa, formando cachos densos e atrativos para polinizadores, como abelhas e borboletas.

Para utilizar a Facelia como adubo verde, deve-se cultivar esta planta numa área específica, geralmente durante períodos de repouso ou entre safras, quando o solo não está a ser usado para outras cultura. Depois de um período de crescimento que pode variar de algumas semanas a alguns meses, a facelia é cortada e incorporada ao solo o que promove a decomposição da biomassa e a libertação de  nutrientes valiosos no solo.

Além dos benefícios como adubo verde, a Facelia também é utilizada em paisagismo e  projetos de recuperação de áreas degradadas devido à sua beleza e capacidade de atrair insetos benéficos para o controlo de pragas.

Em geral, a facélia é cortada antes de estar na fase de completa floração.  Normalmente, isto ocorre quando a planta atinge cerca de 30 a 60 centímetros de altura. Nesta fase, a planta está vigorosa e possui uma grande quantidade de biomassa, o que a torna ideal para ser incorporada ao solo como adubo verde.

O corte da facélia pode ser feito manualmente ou recorrendo ao uso de máquinas agrícolas, como um triturador. Após o corte, a planta é deixada no solo para que se decomponha, enriquecendo-o com matéria orgânica e nutrientes. O tempo necessário para a decomposição varia de acordo com as condições ambientais, mas geralmente leva algumas semanas a alguns meses.

adubos verdes facelia
Fonte: https://www.apicolturalaterza.com/images/Facelia-Phacelia-Tanacetifolia-870×489.jpg

6- Sorgo

O sorgo é uma cultura popular como adubo verde devido às suas características favoráveis. Possui um sistema radicular vigoroso que ajuda a melhorar a estrutura do solo, aumentando a sua capacidade de retenção de água e arejamento. Além disso, as suas raízes também libertam substâncias que ajudam a suprimir o crescimento de plantas infestantes.

Ao cultivar o sorgo como adubo verde, é importante escolher uma variedade adequada para essa finalidade. Existem variedades específicas de sorgo destinadas ao uso como adubo verde, que são mais eficientes na fixação de azoto e têm um crescimento mais rápido.

Sabe mais sobre a cultura do sorgo aqui

O sorgo pode ser cultivado no início da primavera ou no verão, dependendo do clima e das condições locais. Geralmente, é semeado diretamente no solo e requer uma gestão adequada para alcançar seu máximo potencial como adubo verde.

Após o cultivo do sorgo como adubo verde,  pode ser incorporado no solo antes de entrar em floração, quando as plantas ainda estão em estágio vegetativo. Isto ajuda a reter os nutrientes no solo e promover a decomposição da matéria orgânica.

No entanto, é importante observar que a utilização do sorgo como adubo verde pode variar de acordo com as condições locais, o tipo de solo e as necessidades específicas da cultura subsequente. Recomenda-se consultar especialistas agrícolas  para obter informações mais detalhadas e adaptadas à sua região.

adubos verdes sorgo
Fonte: https://www.agroscope.admin.ch/agroscope/en/home/topics/plant-production/field-crops/crops/alternative-kulturpflanzen/sorghum/_jcr_content/par/columncontrols/items/0/column/textimage_811054297/image.imagespooler.jpg/1551423420719/original/Sorghum%20Susu_01.jpgTrigo Sarraceno: 

7-Trigo Sarraceno

O Trigo Sarraceno é uma planta amplamente cultivada para melhorar a qualidade do solo. Trata-se de um adubo verde de crescimento rápido e fixação estável. Uma das suas características benéficas é a capacidade de extrair fósforo e cálcio do solo. Quando as plantas de Trigo Sarraceno se decompõem, estes nutrientes são libertados de forma otimizada, ficando prontos para serem utilizados pelas culturas seguintes.

Além de sua função como adubo verde, o trigo Sarraceno também se destaca como uma planta supressora de plantas infestantes. Possui um crescimento vigoroso e, ao ocupar o espaço no solo, inibe o desenvolvimento de plantas indesejadas. Além disso, o trigo sarraceno é extremamente atrativo para abelhas, zangões e outros insetos polinizadores, contribuindo para a biodiversidade e o equilíbrio do ecossistema.

O trigo Sarraceno pode ser semeado entre os meses de abril e junho, aproveitando o período de crescimento favorável. Esta planta prospera em áreas ensolaradas e é capaz de adaptar-se a diversos tipos de solo. É um adubo verde altamente recomendado para melhorar a fertilidade e a estrutura do solo.

Para uma aplicação eficaz do trigo sarraceno como adubo verde, recomenda-se a utilização de uma quantidade de sementes de aproximadamente 400 gramas para cada 100 metros quadrados de área. Devido ao seu crescimento rápido e vigoroso, o trigo sarraceno  contribui significativamente para a saúde e o desenvolvimento sustentável do solo.

Fagopyrum esculentum
Fonte: https://plantasflores.net/wp-content/uploads/2021/11/Fagopyrum-esculentum.jpg

Em suma…

O uso de adubos verdes de primavera-verão é uma estratégia simples e acessível para os agricultores que desejam melhorar a fertilidade do solo de forma natural. Estas plantas não fornecem apenas nutrientes, mas também contribuem para a saúde do solo, a supressão de plantas infestantes e a atração de polinizadores. Ao cultivar adubos verdes como crotalária, feijão-frade, cravo túnico, erva do Sudão, facélia, sorgo e trigo sarraceno,  estará certamente a promover um ciclo sustentável nos seus terrenos.

acientistaagricola
acientistaagricolahttp://acientistaagricola.pt
Olá, sou a Rosa. Nasci e cresci em meio rural e desde cedo percebi o que queria fazer para o resto da vida. Mais tarde, quando entrei no ensino superior tornei-me Técnica Superior do Ambiente e Agrónoma, áreas que sempre me fascinaram. Este blog é mais do que um projecto pessoal...é  o culminar de duas paixões: a escrita e as ciências ambientais e agrárias. Este é um local de encontro entre todos aqueles que partilham destas mesmas paixões. 

Related Articles

Queres receber as nossas newsletters?

Preencha os campos abaixo para se inscrever.

* ao clicar em "inscrever", está a aceitar as nossas condições de marketing.
- Publicidade -spot_img
spot_img

Últimos artigos